Fundos de Private Equity arrecadaram US$ 589 bi em 2016

A consultoria Bain & Company lançou a nova edição do “Global Private Equity Report”, que analisa globalmente os mercados dessa classe de ativos. Segundo o estudo, a indústria de private equity levantou US$ 589 bilhões no ano passado, enquanto os investimentos sofreram queda de 18% em âmbito mundial, mas permaneceram em níveis elevados. Os desinvestimentos caíram 23% em valor, também próximos aos níveis recordes.

Segundo a análise, o cenário se deve ao recorde de avaliação dos ativos, que, combinado com a concorrência de compradores corporativos, dificultou um pouco as aquisições por parte dos fundos de private equity e levou à redução de valores. O levantamento também ressaltou que a venda desses ativos teve seu quarto melhor ano, graças a 984 transações que somaram US$ 328 bilhões.

Na visão da consultoria, com quase todos os investimentos pré-crise de 2008 já resgatados, as empresas de operações de compra se adaptam a uma nova fase, em que os fundos manterão empresas no seu portfólio por aproximadamente cinco anos – período maior do que a média histórica, que durava de três anos e meio a quatro anos. A Bain & Company acredita que essa tendência deve continuar no médio prazo, como resultado dos preços altos de aquisição e de retornos limitados do mercado aberto de equities.

Cenário Brasil

O panorama de private equity no Brasil em 2016 foi quase oposto, devido à crise econômica e de confiança. O ambiente para levantar novos fundos também se mostrou extremamente desafiador por causa da recessão profunda, da desvalorização cambial, das incertezas políticas e das perspectivas de baixo crescimento econômico, mesmo diante da provável recuperação econômica. Já os desinvestimentos foram limitados e o ambiente para realizar investimentos foi bom, segundo a consultoria, até mesmo com algumas situações de preços razoáveis.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

CVM muda norma de Fundos de Investimento Imobiliário

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) editou, no dia 15 de setembro, a Instrução CVM 580, alteradora da Instrução CVM 472, que regulamenta os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs). O objetivo é incluir como passíveis de aprovação em assembleia atos que caracterizem conflito de interesses entre o FII e o seu consultor especializado. A principal […]

CVM lança estudo sobre risco cibernético nas atividades de administradores fiduciários e intermediários

O risco cibernético tem sido cada vez mais discutido no âmbito acadêmico, fóruns de reguladores internacionais de mercado de capitais e imprensa. Além da crescente preocupação decorrente dos processos cada vez mais automatizados no mercado de capitais e sua potencial característica de risco sistêmico, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) lançou o estudo “Percepção de […]