CVM emite nota sobre Initial Coin Offering (ICO)

Considerando o avanço das operações conhecidas como Initial Coin Offerings (ICOs), a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) emitiu nota em seu site, esclarecendo que está atenta às recentes inovações tecnológicas nos mercados financeiros global e brasileiro. A Autarquia vem acompanhando tais operações e buscando compreender benefícios e riscos associados, seja por meio de fóruns internos, como o Comitê de Gestão de Riscos (CGR) e o Fintech Hub, ou de discussões no âmbito internacional, como em trabalhos desenvolvidos pela IOSCO.

A CVM ressaltou que busca estimular o empreendedorismo e as inovações tecnológicas no mercado de valores mobiliários, de forma alinhada à segurança dos investidores e da integridade do mercado.

Neste sentido, a Autarquia prestou os seguintes esclarecimentos quanto aos riscos decorrentes dos ICOs e de sua relação com o regime regulatório atualmente vigente no âmbito do mercado de valores mobiliários:

  1. Podem-se compreender os ICOs como captações públicas de recursos, tendo como contrapartida a emissão de ativos virtuais, também conhecidos como tokens ou coins, junto ao público investidor. Tais ativos virtuais, por sua vez, a depender do contexto econômico de sua emissão e dos direitos conferidos aos investidores, podem representar valores mobiliários, nos termos do art. 2º, da Lei 6.385/76.
  2. Nesse contexto, a CVM esclarece que certas operações de ICO podem se caracterizar como operações com valores mobiliários já sujeitas à legislação e à regulamentação específicas, devendo se conformar às regras aplicáveis. Incorrem na mesma situação companhias (abertas ou não) ou outros emissores que captem recursos por meio de uma ICO, em operações cujo sentido econômico corresponda à emissão e à negociação de valores mobiliários.
  3. As ofertas de ativos virtuais que se enquadrem na definição de valor mobiliário e estejam em desconformidade com a regulamentação serão tidas como irregulares e, como tais, estarão sujeitas às sanções e penalidades aplicáveis. A CVM alerta que, até a presente data, não foi registrada nem dispensada de registro nenhuma oferta de ICO no Brasil.
  4. Por outro lado, há operações de ICO que não se encontram sob a competência da CVM, por não se configurarem como ofertas públicas de valores mobiliários.
  5. A CVM esclarece que valores mobiliários ofertados por meio de ICO não podem ser legalmente negociados em plataformas específicas de negociação de moedas virtuais (chamadas de virtual currency exchanges), uma vez que estas não estão autorizadas pela CVM a disponibilizar ambientes de negociação de valores mobiliários no território brasileiro.
  6. Quanto à participação de potenciais investidores em operações de ICO, alerta-se para os seguintes riscos inerentes a tais investimentos (em especial no que diz respeito a emissores ou ofertas não registradas na CVM):
    • Risco de fraudes e esquemas de pirâmides (“Ponzi”);
    • Inexistência de processos formais de adequação do perfil do investidor ao risco do empreendimento (suitability);
    • Risco de operações de lavagem de dinheiro e evasão fiscal/divisas;
    • Prestadores de serviços atuando sem observar a legislação aplicável;
    • Material publicitário de oferta que não observa a regulamentação da CVM;
    • Riscos operacionais em ambientes de negociação não monitorados pela CVM;
    • Riscos cibernéticos (entre os quais, ataques à infraestrutura, sistemas e comprometimento de credenciais de acesso dificultando o acesso aos ativos ou a perda parcial ou total dos mesmos) associados à gestão e custódia dos ativos virtuais;
    • Risco operacional associado a ativos virtuais e seus sistemas;
    • Volatilidade associada a ativos virtuais;
    • Risco de liquidez (ou seja, risco de não encontrar compradores/vendedores para certa quantidade de ativos ao preço cotado) associado a ativos virtuais;
    • Desafios jurídicos e operacionais em casos de litígio com emissores, inerentes ao caráter virtual e transfronteiriço das operações com ativos virtuais.
  7. A CVM recomenda aos potenciais investidores que se deparam com anúncios de ICO, como forma de evitar o risco de fraude, verificar no site da Autarquia se o ofertante é emissor registrado na CVM ou se a oferta foi registrada ou dispensada de registro. Além disso, a Autarquia, por meio de seus canais de atendimento ao investidor, encontra-se à disposição para receber denúncias e reclamações sobre possíveis irregularidades em tais operações.
  8. Os investidores devem avaliar atentamente as características de tais operações, de forma a identificar sinais indicadores de irregularidades, tais como: altos retornos garantidos, pressão para participar das transações imediatamente, ofertantes ou ofertas não registradas na CVM, ausência de requisitos mínimos para a participação em tais operações, entre outros.

A CVM permanece atenta à evolução das ICOs e, sendo o caso, tomará, no momento apropriado, as medidas cabíveis no âmbito de sua competência legal, de forma a assegurar a estabilidade e o contínuo desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

BM&FBOVESPA publica despacho sobre operação de combinação de negócios com CETIP

A BM&FBOVESPA informou, no dia 13 de setembro, que a Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) publicou despacho declarando complexo o Ato de Concentração que trata da operação de combinação de negócios entre a BM&FBOVESPA e Cetip. O Despacho permite à SG-CADE determinar a realização de instrução complementar. No presente caso, a SGCADE […]

BM&FBOVESPA apresenta resultados da Consulta Pública sobre evolução dos Segmentos Especiais

A BM&FBOVESPA apresentou os resultados consolidados da primeira etapa de discussão sobre a evolução dos Segmentos Especiais. A pesquisa foi respondida por investidores, companhias abertas, intermediários e agentes do mercado entre os dias 15 e 16 de março. Os resultados da primeira fase servirão para gerar novas discussões sobre o tema, além da proposta da […]