CVM divulga emite Ofício Circular sobre comunicados publicados pelo GAFI/FATF

O Ofício-Circular n°1/2021, emitido em 05 de janeiro de 2021 pela CVM define o tratamento que deve ser dado aos comunicados publicados pelo GAFI/FATF.

Segundo o Ofício, o acompanhamento das listas do GAFI/FATF, contendo jurisdições que, na visão daquele organismo, possuem deficiências estratégicas na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo (“PLDFT”), é parte integrante dos requerimentos previstos na Instrução CVM nº 617/19.

Assim, a CVM reitera a importância da elaboração e implementação de controles internos pontuais voltados para o monitoramento dos sinais de alerta previstos na alínea “a” do inciso IV do art. 20 da Instrução CVM nº 617/19. 3.

Visando a geração de uma maior visibilidade para essas listas, e considerando a transversalidade que o assunto possuiu no mercado de valores mobiliários, a CVM registra que a partir de agora essas listas serão disseminadas para as pessoas obrigadas que atuam no mercado de capitais por meio do Informe CVM: Comunicação GAFI/FATF, e não mais por meio de Ofício Circular Conjunto SMISIN. 4.

Confira a íntegra do Ofício no link abaixo

Ofício Circular-01-SMI-CVM.pdf

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

CVM aprova pedido de alteração do início da vigência da Deliberação CVM 874. Prazo passou para 7.06.22. Confira

Em reunião extraordinária, realizada em 4/3/22, o Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu, por unanimidade e acompanhando a manifestação do Comitê de Sandbox (CDS) da Autarquia, pela aprovação do pedido de alteração do início da vigência da Deliberação CVM 874. O prazo passará de 7/3/2022 para 7/6/2022, em razão da autorização temporária das empresas […]

CVM lança Campanha de Conscientização contra Golpes Financeiros.

Segundo Pesquisa sobre Fraudes Financeiras realizada pelo Centro de Estudos Comportamentais e Pesquisas (CECOP) da Comissão de Valores Mobiliários (CVM, o público que cai em golpes financeiros é composto, em geral, por homens (91%), com idade entre 30 e 39 anos (36,5%) com renda familiar mensal entre 2 e 5 salários-mínimos (23%) e com pós-graduação (38%). […]