Revolução digital nos serviços financeiros norteia debates em Fórum de Cidadania Financeira

Na semana passada, aconteceu o III Fórum de Cidadania Financeira, evento que reuniu 700 pessoas para debater as oportunidades e riscos da digitalização para a cidadania financeira.

Uma das constatações do encontro foi que as finanças digitais facilitam a intermediação financeira, mas é preciso que a população esteja preparada para interagir de forma segura nas novas plataformas. Entre as questões enfrentadas para harmonizar revolução tecnológica com intermediação financeira eficiente estão a segurança cibernética e o armazenamento de dados na nuvem.

A importância de se aumentar o nível de educação financeira dos brasileiros também foi destacada para a segurança do processo de digitalização e para a estabilidade do sistema financeiro. Consumidores conscientes dos seus direitos e dos riscos das transações contribuem para que a revolução digital facilite a intermediação financeira, em vez de ser fonte de problemas.

Segundo o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana, pessoas que se planejam, poupam e investem participam do esforço de reduzir a taxa de juros estrutural da economia. “Mais educação financeira permite menor custo do crédito, combate ao superendividamento e menos inadimplência”, ressaltou.

Saiba Mais

>> Veja a notícia completa no site do Banco Central

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Instituições financeiras deverão elaborar plano de recuperação para cenários de estresse

O Conselho Monetário Nacional (CMM) divulgou, no dia 30 de junho, uma nova norma que estabelece requisitos mínimos na elaboração e execução dos planos de recuperação por instituições financeiras importantes. O objetivo da norma é fazer com que as instituições financeiras se preparem melhor para cenários de estresse. A resolução faz parte das ações do […]