Revolução digital nos serviços financeiros norteia debates em Fórum de Cidadania Financeira

Na semana passada, aconteceu o III Fórum de Cidadania Financeira, evento que reuniu 700 pessoas para debater as oportunidades e riscos da digitalização para a cidadania financeira.

Uma das constatações do encontro foi que as finanças digitais facilitam a intermediação financeira, mas é preciso que a população esteja preparada para interagir de forma segura nas novas plataformas. Entre as questões enfrentadas para harmonizar revolução tecnológica com intermediação financeira eficiente estão a segurança cibernética e o armazenamento de dados na nuvem.

A importância de se aumentar o nível de educação financeira dos brasileiros também foi destacada para a segurança do processo de digitalização e para a estabilidade do sistema financeiro. Consumidores conscientes dos seus direitos e dos riscos das transações contribuem para que a revolução digital facilite a intermediação financeira, em vez de ser fonte de problemas.

Segundo o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana, pessoas que se planejam, poupam e investem participam do esforço de reduzir a taxa de juros estrutural da economia. “Mais educação financeira permite menor custo do crédito, combate ao superendividamento e menos inadimplência”, ressaltou.

Saiba Mais

>> Veja a notícia completa no site do Banco Central

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Bolsa apresenta nova proposta de regulamentos para Novo Mercado

A BM&FBOVESPA apresentou uma nova proposta de regulamentos para os Segmentos Especiais (Novo Mercado e Nível 2), iniciando a segunda fase do processo de evolução dos segmentos que reúnem companhias com as mais elevadas práticas de governanças corporativa da Bolsa. Depois do fim da primeira fase, quando agentes de mercado, companhias abertas, investidores locais e […]