Lucro no 2T18 das empresas de capital aberto brasileiras tem alta expressiva

A consultoria Economatica realizou um levantamento mostrando que as empresas de capital aberto brasileiras apresentaram crescimento expressivo no lucro registrado no segundo trimestre de 2018 em relação ao mesmo período no ano anterior. Na amostragem, os bancos concentraram o maior lucro e empresas do setor de papel e celulose tiveram o maior prejuízo.

Segundo a pesquisa, 306 empresas de capital aberto brasileiras (sem contar a Petrobras e Eletrobrás), divididas em 26 setores, registraram lucro de R$ 26,55 bilhões no segundo trimestre de 2018, contra R$ 21,75 bilhões no mesmo período de 2017, aumento de R$ 4,79 bilhões ou 20%.

O setor mais lucrativo da amostra foi o de Bancos que, com 20 instituições, fechou o segundo trimestre de 2018 com R$ 17,6 bilhões contra R$ 15,2 bilhões em 2017, alta de 15,57%.

O setor de Energia Elétrica com 36 empresas teve o segundo melhor resultado com R$ 3,03 bilhões no período contra R$ 2,20 bilhões em 2017, crescimento de 38,06%.

Considerando na amostra a Petrobras e Eletrobras, o resultado de 308 empresas de capital aberto brasileiras registrou salto de 76,25% na lucratividade no segundo trimestre de 2018 com relação a 2017. O lucro das 308 empresas subiu de R$ 22,37 bilhões para R$ 39,44 bilhões no período. O resultado foi fortemente impactado pela Petrobras que registrou crescimento de R$ 9,75 bilhões no período e pela Eletrobras com R$ 2,51 bilhões.

Saiba Mais

>> Veja o levantamento completo no site da Economatica

NOTÍCIAS RELACIONADAS

BM&FBOVESPA inicia negociação de novos BDRs Não Patrocinados Nível I

A BM&FBOVESPA inicia nesta segunda-feira (3) a negociação de três novos programas de Brazilian Depositary Receipts Não Patrocinados Nível I (BDR NP), emitidos pelo Bradesco S.A. Os novos programas autorizados para negociação são da AETNA Inc. (AETB34), American International Group Inc. (AIGB34) e Duke Energy Corporation (DUKB34). Com os novos programas, o portfólio da BM&FBOVESPA […]

CVM muda norma de Fundos de Investimento Imobiliário

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) editou, no dia 15 de setembro, a Instrução CVM 580, alteradora da Instrução CVM 472, que regulamenta os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs). O objetivo é incluir como passíveis de aprovação em assembleia atos que caracterizem conflito de interesses entre o FII e o seu consultor especializado. A principal […]