ANCORD defende manutenção de dispersão acionária nos regulamentos do Novo Mercado e Nível 2

Na semana passada, a ANCORD encaminhou à BM&FBOVESPA suas considerações sobre a proposta de alteração dos Regulamentos de Listagem do Novo Mercado e do Nível 2, objeto da audiência pública promovida pela Bolsa. As potenciais mudanças das regras dos Segmentos Especiais – em especial o que diz respeito à dispersão acionária (pulverização de capital) –  foram tema de debates entre os representantes de diversas instituições associadas da ANCORD que participam de seus Comitê Jurídico, de Compliance e Back-Office e do Comitê de Produtos e Operações.

Em sua manifestação à audiência pública, a ANCORD se posicionou contrária à proposta do item 9.5 do edital, o qual defende o fim da obrigatoriedade da dispersão acionária nos novos regulamentos dos Segmentos Especiais da Bolsa.  Na visão da Associação, envidar os melhores esforços para promover a dispersão acionária é essencial para o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro.

A dispersão acionária é um requisito previsto nos regulamentos de listagem do Novo Mercado e do Nível 2 desde sua criação, obrigando que uma parcela de, no mínimo, 10% de uma oferta pública de distribuição de ações inicial (IPO) ou subsequente (follow-on) seja ofertada a pessoas físicas e investidores não institucionais, conhecidos como investidores de varejo.

Principais pontos apresentados pela ANCORD na audiência pública

  • Grau de evolução do mercado de capitais

Desde 2010, nota-se um significativo e constante declínio da participação de pessoas físicas no mercado (em julho de 2016, o número de investidores pessoas naturais chegou a 553.518, quase 60 mil a menos do que em 2010). Atualmente, o mercado atravessa uma fase de estagnação e elevado risco de reversão de importantes conquistas feitas na última década. Esse quadro, por si só, justifica a preservação de mecanismos que estimulem a participação dos investidores de varejo em ofertas públicas de ações.

  • Liquidez do mercado

A ANCORD concorda que melhores condições de  liquidez devem ser buscadas, pois estimula o ingresso e a permanência de investidores no mercado, porém acredita que a avaliação da liquidez deve ter também uma perspectiva qualitativa (e não puramente quantitativa), considerando investidores com diferentes perfis.

  • Ofertas com esforços restritos

Para a ANCORD, a incompatibilidade entre a exigência fixada pela ICVM 476/2009, no sentido de que a oferta com esforços restritos seja dirigida a investidores profissionais, e a obrigação de dispersão acionária em favor de Investidores de Varejo prevista nos Regulamentos do Novo Mercado e do Nível 2 pode ser resolvida, afastando-se a incidência das regras sobre dispersão acionária nesta situação. Isto significa que seria preciso apenas adaptar os regulamentos do Novo Mercado e Nível 2 com as atualizações da ICVM 476/2009. Na visão da Associação, a dificuldade de conciliar as atuais regras de dispersão acionária com um tipo específico de oferta de ações (que não diz respeito aos investidores de varejo) não justificaria a total supressão de um mecanismo importante de estímulo da participação das pessoas físicas no mercado de capitais.

Próximos passos

 A BM&FBOVESPA divulgou que avaliará cada manifestação, buscando harmonizar os diversos interesses “sempre que possível”. Após esta etapa, criará um texto final de regulamento que será submetido à audiência restrita com as companhias listadas nos respectivos segmentos de 07/11/2016 a 06/02/2017.

As alterações nos regulamentos somente poderão ser implementadas se não houver manifestação contrária de mais de um terço das companhias listadas em cada um dos Segmentos Especiais.

Saiba Mais

>> Saiba mais sobre o processo da audiência pública no site da BM&FBOVESPA

>> Faça download da íntegra das manifestações na audiência pública, acessando o último item desta página (“Consulte os comentários recebidos na audiência pública”)

NOTÍCIAS RELACIONADAS

BC publica edital de consulta pública de segmentação do SFN para fins de aplicação da regulação prudencial

O Banco Central (BC) divulgou, no dia 17 de novembro, edital de consulta pública de resolução que estabelece a segmentação do conjunto das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BC para fins de aplicação proporcional da regulação prudencial. As modificações propostas no edital permitirão que as normas prudenciais sejam adequadas ao porte […]

BC publica edital de consulta pública que simplifica regulação prudencial das instituições com perfil de risco menor

O Banco Central (BC) publicou o Edital de Consulta Pública 53/2017 com propostas de normativos que possibilitam às instituições não bancárias e as cooperativas de crédito optarem por regulação mais simples. A norma propõe que as instituições não bancárias e as cooperativas de crédito possam optar pela utilização da metodologia simplificada para apuração do requerimento […]

Audiência pública propõe fortalecer cuidados de intermediário com segurança da informação

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública minuta de norma que visa aprimorar os controles internos das instituições intermediárias diante de eventos que possam provocar interrupção de suas atividades e falhas na segurança das informações. A minuta prevê a necessidade de desenvolvimento do plano de continuidade de negócios e fortalecimento de mecanismos […]